Crônica: Absolvendo o Amor - Parte I




Uma mulher namora um príncipe encantado por três meses e então descobre que ele não é príncipe coisa nenhuma, e sim um bobalhão que não soube equalizar as diferenças e sumiu no mundo sem se despedir. Mais um, segundo ela. são todos assim, os homens. Ela resmunga: "Não dá mesmo para acreditar no amor".

Peraí. Por que o amor tem que levar a culpa desses desencontros? Que a princesa não acredite mais no Pedro, no Paulo ou no Pafúncio, vá lá, mas responsabilizar o amor pelo fim de uma relação e a partir daí não querer mais se envolver com ninguém é preguiça de continuar tentando. Não foi o amor que caiu fora. Aliás, ele talvez nem tenha entrado nessa história. Quando entra, é pra contribuir, para apimentar, para fazer feliz.

Se o relacionamento não dá certo, ou dá certo por um determinado tempo e depois acaba, o amor merece um aperto de mãos, um muito obrigada e até a próxima. Fique com o cartão dele, você vai chamá-lo de novo, vai precisar de seus serviços, esteja certa. Dispense namorados, mas não dispense o amor, porque esse estará sempre a postos.

Viver sem amor por uns tempos é normal. Viver sem amor pra sempre é azar ou incompetência. Só não pode ser uma escolha, nunca. Escolher não amar é suicídio simbólico, é não ter razão para existir. Não adianta querer compensar com amor pelos amigos, pelos filhos e cachorros, não é com eles que você fica de mãos dadas no cinema.


Medeiros, Marta. Doidas e Santas.31 ed. - Porto Alegre, RS: L&PM, 2012.


Comentários

  1. Adorei essa nova capa do seu blog Freire! Dei uma espiada tava ausente.Ficou lindo seu cantinho!

    Bjs Miz

    ResponderExcluir
  2. "Se eu sou muito louco por eu ser feliz, mais louco é quem me diz e não é feliz, não é feliz. Escolher não amar é suicídio simbólico, é não ter razão pra existir. Não adianta querer compensar com amor pelos amigos,filhos e cachorros, não é com eles que você fica de mãos dadas no cinema.

    Miz Andrade

    ResponderExcluir

Postar um comentário