Amigos do Blog

sexta-feira, outubro 24, 2014

Te Amo Minha Querida



Ha um ano não te via
Ha um ano não entrava em ti
Outubro é sempre o mês bendito
Que reservo pra nos amarmos
Como foi maravilhoso, perfeito
Chegar ao fim de tarde, por do sol
Sentir o teu perfume inesquecível
E constatar pela milésima vez
O quanto eu te amo
O quanto me sinto feliz
Só de saber que vou te encontrar
Admirar tua beleza estonteante
Sentir o teu gosto único
Passear nas tuas curvas
Me sentir acolhido no teu seio
Provar teus sabores
Dormir no teu abraço
São momentos inesquecíveis
Você pra mim é felicidade
Vou contar os meses
Até novamente outubro  chegar
E finalmente poder te amar
Me sentir vivo, me sentir feliz
Logo, logo, estarei todos os dias
E pro resto dos meus dias
Em teus braços minha querida
Cidade de Fortaleza-CE.


Raimundo Salgado Freire Júnior.




domingo, setembro 14, 2014

Prosa Poética: A Juventude das Velhas Palavras




Os meus novos amigos
Estão muito velhos
Para entender a juventude
Das minhas velhas palavras
Mesmo assim eu as escrevo
Esperando que quem as leia
Sinta-se jovem novamente
Tornando seus velhos dia de rotina
Em novas oportunidades de escrever
Ou de dizer, o velho "eu te amo"
Só assim encontro novas formas
de escrever velhas verdades
Em novas páginas metafóricas 
A poesia que me faz sentir
Um velho poeta nascendo
Cheio de palavras novas...



Raimundo Salgado Freire Júnior


terça-feira, setembro 09, 2014

A Sexta Arte



Aquela que faz o insensível chorar
Nas noites de lua cheia iluminada
Faz no amor impossível acreditar
Esperando o beijo de sua amada

Aquela que faz o analfabeto ler
Nos olhos de sua musa querida
As palavras que não sabe escrever
Mas que conjuga ao amor de sua vida

Aquela que diz de modo diferente
Para os ouvidos apaixonados
O que é comum pra todo gente
Mas só a escutam os privilegiados

Aquela que beija tua boca com palavras
Que rabisca no teu peito uma história
Palavras que do amor são escravas
Aprisionadas em rimas de amor e glória

Aquela que embeleza seus amores
Que torna bela a feia mais triste
Que enriquece com seus sabores
A musa mais insossa que existe

Aquela que faz o coração carente
Ter esperança do amor conhecer
Que transforma o cético em crente
Que faz a noite escura alvorecer

Aquela que acalenta o homem solitário
Que tece os sonhos da mulher esquecida
Que sonha com seu príncipe imaginário
Que ao ouvido vai chamá-la de querida

Aquela que faz do homem um poeta
Que faz da mulher brilhante poetisa
Que torna dia frio em aventura secreta
Que torna dia quente em suave brisa

Aquela que faz o cego enxergar
As cores vibrantes da felicidade
Quem ama com olhos de amar
Mesmo cego encontra claridade

Aquela que chamamos de sexta arte
Que com rimas admira, louva, elogia
Que da literatura é a melhor parte
A noiva do amor infinito, a poesia.


Raimundo Salgado Freire Júnior



segunda-feira, setembro 01, 2014

Desemburrecendo: Se o Cinema é a Sétima Arte, Quais São as Outras?



Segundo o filósofo alemão HEGEL as artes são assim classificadas:


1ª - Arquitetura;
2ª - Escultura;
3ª - Pintura;
4ª - Música;
5ª - Dança;
6ª - Poesia.


Em 1920 os franceses passaram  a denominar o Cinema como a 7ª Arte.


Fonte: Revista Superinteressante.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...