Amigos do Blog

segunda-feira, abril 20, 2015

Você é Uma Obra de Arte



Você é uma obra de arte
Que só um gênio poderia pintar
Que só um tolo não sabe contemplar
Não sou gênio, nem tolo, mas faço poema
Para aquela inesquecível cena:
Teu corpo deitado na cama
Com um sorriso de quem ama...
Uma verdadeira escultura
Em versos, te vejo numa moldura
Linda pintura imponente 
A visão poética do desejo
Rimando como um verso caliente
Iluminando esse corpo sertanejo
Suspirando sutil no ouvido
Sílabas de um grito florido...
Ai aquele tesouro no meu castelo
O encontro da arte e do belo
As cores vivas de uma pintura
Pincel perfeito fez tua cintura...
Em êxtase o tempo passou
E aquela imagem não se apagou
Daquela inspiradora musa
Naquela manhã de verão
Deixou um cheiro na blusa
Virou pintura, poema, canção...


Raimundo Salgado Freire Júnior







sexta-feira, março 06, 2015

Versos de Orgulho



O mundo quer-me mal porque ninguém
Tem asas como eu tenho !Porque Deus
Me fez nascer Princesa entre plebeus
Numa torre de orgulho e de desdém.

Porque o meu Reino fica para além ...
Porque trago no olhar os vastos céus
E os oiros e clarões são todos meus !
Porque eu sou Eu e porque Eu sou Alguém !

O mundo ? O que é o mundo, ó meu Amor ?
__O jardim dos meus versos todo em flor ...
A seara dos teus beijos, pão bendito ...

Meus êxtases, meus sonhos, meus cansaços ...
__São os teus braços dentro dos meus braços,
Via Láctea fechando o Infinito.


Florbela Espanca

terça-feira, março 03, 2015

Crônica: 50 Tons de Abuso Físico e Emocional



Quando li o livro Cinquenta Tons de Cinza, primeiro volume da trilogia de autoria da executiva de TV e escritora, a inglesa E. L. James, fenômeno editorial em todo o mundo, achei uma grande merda porcaria, história fraca, personagens insossas , cheias de conflito, pra não dizer doentias, e uma conclusão que é  o cúmulo da obviedade, sabe aqueles tipo de livro feito pra ser rapidamente consumido e facilmente esquecido?

"50 tons" pertence àquela categoria de livros de conteúdo fraco, feito para adolescentes, no estilo "saga crepúsculo", embora a autora jure de pés juntos que o livro foi feito para um público "adulto". Todavia, embora o livro seja uma ofensa à literatura mundial, alavancado pela pesada máquina publicitária, vendeu mais de que papel higiênico, o que aliás é uma sugestão para o destino do livro, tanto que me recusei a fazer um resumo desta "obra" aqui no blog a título de "sugestão de leitura", embora tenha sido publicado no Brasil pela excelente Editora Intrínseca.

Como desgraça pouca é bobagem, e aproveitando a onda mundial de transformar livros best-seller em filme, a ótima Universal Pictures resolveu levar à telona o primeiro livro da trilogia, protagonizada por Jamie Dornan (Christian Grey) e por uma atriz com o sugestivo nome de Dakokota Dakota Johnson (Anastasia Steele).

Como no Brasil o que não presta já tem 50% de chance de dar certo, o filme tem arrebanhado multidões aos cinemas, para ver aquela historinha mal intencionada que reforça o mito da "coisificação" da mulher, que leva as incautas a admitir que uma mulher pode ser tratada como um objeto, como uma coisa descartável, que  é normal uma mulher ser espancada, violentada...

E ainda ouço um rebanho de rapariga jovens (algumas nem tão jovens assim) que nunca sequer leram o livro, comentar: "ah eu gostei, ele é um gato", "o filme é lindo, ele é tao rico...", "Essa Anastasia é uma mulher de sorte...", "queria um homem assim pra mim..." e outras pérolas que nem posso colocar aqui...

Amigona, pedido de amigo, queira um homem assim não!

Mas, Freire, o filme fala sobre uma história de amor. Não, mil vezes não, a história é sobre sadomasoquismo, dominação masculina, manipulação, humilhação feminina, sobre violência contra a mulher e violência, consentida ou não, não tem nada de romântico, constitui-se em abuso físico e emocional.

O filme é repleto de arquétipos bem definidos, clichês mesmo. Christian é um belo e riquíssimo homem que gosta de machucar as mulheres de forma bizarra, porque fora abusado e negligenciado na infância. Anastasia é uma jovem virgem e inocente que se encanta pelo beleza e pelo bolso de Christian (pausa para vomitar)... O filme, pra variar, consegue ser ainda pior que o livro.

Percebeu bonitona que você ta entrando numa fila enorme pra reforçar a ideia que as mulheres são interesseiras? Percebeu sua tonta que você ta pagando pra assistir a a um filme que reproduz a tese de que por dinheiro a mulher pode se deixar tratar como um lixo? como um objeto? percebeu sua pamonha que o filme faz parecer que as mulheres precisam de um homem grosseiro que mande nelas? Percebeu que Christian obriga Anastasia a assinar um contrato que a proíbe de denunciá-lo como abusador? Que ele exige que ela a chame de "Senhor"?

E eu me iludindo que uma boa parte das mulheres iam se levantar contra o filme, que as feministas iam protestar....ledo engando, a esmagadora maioria do público é feminina, como diria uma amiga minha: "um monte de solteirona mal fudida amada". Por outro lado, um outra amiga me disse assim: " a partir do momento que é consentido, não constitui abuso", tudo bem eu até entendo que pode ser uma escolha da mulher, vai ver tem gente que até goza se apanhar na cara, mas toda escolha auto-destrutiva nunca será uma boa escolha, embora concorde que cada uma faz a escolha que achar melhor pra sua vida, mesmo que depois não tenha mais um dente sequer na boca pra sorrir pra homem nenhum...

Uma Mulher (notaram o M maiúsculo?) é pra ser tratada com gentileza, com flores, com respeito, com dignidade, com um passeio de mãos dadas,  com muito sexo gostoso e de qualidade, com olhares significativos, com boas atitudes, com chocolate, com carinho, com pegada sim, mas sem violência, sem desprezo...

Não Sr. Grey, não se trata uma mulher com chibata... A não ser que o Sr. seja nordestino, porque aqui no nordeste chibata significa outra coisa...

Raimundo Salgado Freire Júnior.


segunda-feira, março 02, 2015

O Nosso Mundo



Eu bebo a Vida, a Vida, a longos tragos
Como um divino vinho de Falerno
Poisando em ti o meu olhar eterno
Como poisam as folhas sobre os lagos…
Os meus sonhos agora são mais vagos
O teu olhar em mim, hoje é mais terno…
E a Vida já não é o rubro inferno
Todo fantasmas tristes e presságios!
A Vida, meu amor, quero vivê-la!
Na mesma taça erguida em tuas mãos,
Bocas unidas hemos de bebê-la!
Que importa o mundo e as ilusões defuntas?…
Que importa o mundo e seus orgulhos vãos?…
O mundo, Amor!… As nossas bocas juntas!…

Florbela Espanca

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...