Comportamento: Dor de Cotovelo Nas Redes Sociais

Uma pesquisadora americana diz que as redes sociais tornaram os términos de relacionamentos ainda mais difíceis. Os brasileiros concordam FERNANDA COLAVITTI DETETIVE A enfermeira Paula Bortolotti, em sua casa, em Santo André. Bisbilhotar o Orkut do ex prolongou namoro em crise A enfermeira paulista Paula Bortolotti, de 28 anos, diz que demorou quatro anos para terminar definitivamente um namoro em crise. As diversas idas e vindas aconteciam porque ela não conseguia se desconectar do ex na internet. Como os dois haviam apagado seus perfis no Orkut durante o relacionamento para evitar brigas, a maneira que Paula encontrou de bisbilhotar a vida do rapaz foi usar o perfil de uma amiga dela para fuçar a página dos amigos dele. “Eu olhava o perfil dos amigos mais próximos dele para procurar alguma coisa sobre ele”, diz. E encontrava. Todos os indícios de paqueras e flertes eram devidamente checados. A enfermeira ia tirar satisfações com o ex, os dois discutiam e acabavam voltando. E ela continuava monitorando os passos do moço na rede. O que reiniciava o ciclo. Ao contrário de Paula, o arquiteto mineiro Bruno Ferreira, de 30 anos, apagou a ex-namorada de seus contatos no Facebook assim que o namoro de dois anos terminou. “Eu não queria saber nada sobre a vida dela para poder esquecê-la mais rápido”, diz. Mas, como os dois tinham muitos amigos em comum na rede social, isso não foi possível. “Eu sempre via um comentário ou uma foto dela nas atualizações de algum amigo em comum.” Para evitar a tortura, Bruno decidiu sair do Facebook. Paula e Bruno são dois exemplos de uma praga que acomete os términos de relacionamentos no século XXI: a dor de cotovelo virtual. Com mais de 900 milhões de usuários em todo o mundo – 35 milhões no Brasil –, todos ávidos por falar sobre sua intimidade e vasculhar a dos outros, as redes sociais tornaram-se o ambiente perfeito para a propagação dessa nova modalidade de fossa. Além de manter os ex-pombinhos conectados virtualmente (por vontade própria ou não), as redes sociais também se tornaram uma das principais maneiras de comunicar ao mundo (em alguns casos, até ao parceiro) o fim de um relacionamento. É o que mostra o recém-lançado livro Breakup 2.0 – Disconnecting over new media (Rompimento 2.0 – Desconectando-se através das novas mídias, ainda sem tradução no Brasil), da antropóloga americana Ilana Gershon. Durante quatro anos, a professora da Universidade Indiana entrevistou 72 universitários para investigar se os meios digitais influenciavam os finais de relacionamentos. Descobriu que sim. “Rompimentos sempre foram difíceis. As novas mídias tornaram esse processo ainda mais doloroso”, disse Ilana a ÉPOCA. "Ceder ao impulso de espiar a vida do ex prolonga o sofrimento" LIDIA WEBER, psicóloga Antigamente, bastava apagar o nome da pessoa da agenda e deixar de frequentar alguns lugares para evitar o contato com o ex. Agora é preciso deletar o indivíduo do Facebook, do Orkut, do Twitter etc. Isso se o ex-casal não tiver contatos em comum nessas redes sociais. E, se esses amigos compartilham – no caso do Twitter, retuitam – as informações de amigos dos amigos, será preciso pedir gentilmente a eles que parem de repassar as informações indesejadas. Ou apagá-los também. Para piorar, agora também é preciso romper duas vezes. Mudar o status de “namorando” ou “casado” para “solteiro” no Orkut e no Facebook tornou-se um momento tão importante quanto o rompimento na vida real. “É o equivalente a oficializar a separação”, diz Ilana. Em suas pesquisas sobre o uso das mídias sociais, a especialista em redes sociais Raquel Recuero, professora da Universidade Católica de Pelotas, do Rio Grande do Sul, descobriu que a primeira coisa que jovens e adolescentes fazem ao terminar um relacionamento é atualizar o perfil nas redes sociais. Muitos reformulam o perfil. E quem está fora da rede social entra após um rompimento. “As pessoas veem as redes sociais como uma forma de anunciar ao mundo que estão disponíveis. Ou não”, diz. Para os ex-amantes inconformados, as redes sociais podem ser um instrumento de tortura. “É como tentar parar de fumar com uma porção de maços de cigarro espalhados pela casa”, diz o psicólogo Ailton Amélio. A psicóloga Lidia Weber, da Universidade Federal do Paraná diz que o término de um relacionamento equivale a uma pequena tragédia, cujos efeitos no cérebro podem ser comparados à abstinência de drogas. “Ceder ao impulso de espiar a vida do ex prolonga esse sofrimento.” A recomendação dos especialistas àqueles que desejam curar a dor de cotovelo virtual é resistir à tentação de dar a primeira clicada. Paula diz que só assim conseguiu se libertar do ex. “Percebi que, se não parasse de bisbilhotar a vida dele na internet, eu nunca conseguiria sair da relação.” Os dois agora são bons amigos... no Orkut. FONTE: Revista Época.

Comentários