Sugestão de Leitura: A Menina Que Roubava Livros



Acabei de ler e recomendo o livro A Menina Que Roubava Livros ( The Book Thief) do escritor australiano Markus  Zusac. Sou suspeito pra falar devido a minha compulsão por livros, mas esse é simplesmente espetacular, livro pra ser lido e relido, uma história digna de enredo de filme!

O livro é narrado em primeira pessoa pela Morte, isso mesmo pela Morte e conta a odisséia de Liesel Meminger, uma garota órfã na Alemanha Nazista durante o período da Segunda Grande Guerra Mundial. Liesel nem sabia ler ainda quando roubou seu primeiro livro no enterro de seu irmão caçula quando um coveiro esqueceu um livro "o manual do coveiro" sobre a neve, o livro seria o primeiro de uma série e a última lembrança que Liesel guardaria de seu falecido irmão Werner Meminger.

Liesel é adotada por uma casal  pobre, Rosa e Hans Hubermann, que moram na rua Himmel da fictícia cidade alemã de Molching. A menina de 12 anos é criada com sopa de ervilhas e com as surras de colher de pau de Rosa Hubermann. Por outro lado Hans Hubermann age como verdadeiro pai, a trata com carinho e toca acordeon para ela além de ensinar-lhe a ler e escrever corretamente. 

Jogando futebol na rua com os meninos, Liesel faz amizade com um deles Rudy Steiner que passa a ser seu parceiro no roubo de maçãs e obviamente no roubo de livros. Na verdade roubavam maçãs porque passavam muita fome e dos livros "roubados" um foi esquecido pelo coveiro, outro foi roubado em uma das fogueiras nazistas em que livros judeus eram queimados e os demais foram oriundos da biblioteca de Ilsa Herman, mulher do prefeito da cidade que permitia que Liesel os "roubasse".

Rudy Steiner era um lorinho de olhos azuis, apelidado de "Jesse Owens" em virtude de um dia ter se pintado todo de carvão em homenagem ao corredor negro americano que na olimpíada de Munique humilhou Adolf Hitller e sua "supremacia ariana" ao vencer os alemães na prova dos 100 metros rasos. Rudy apelidado de "cabelos de limão" venceu três provas de atletismo nos jogos da juventude hitlerista e dedicou suas medalhas a Liesel a quem sempre pediu um beijo , mas só o conseguiu depois de morto em um bombardeio das forças aliadas.

Pode parecer surreal, mas a morte dialoga com o leitor o tempo todo, mas é dessa forma que o autor nos remete a uma linda história de uma menina que aprendeu e se apaixonou pelo poder das palavras, pelo poder da leitura. Leitura que, literalmente, salvou a vida da menina em todos os sentidos.


Raimundo Freire.

ZUSAC, Markus. A Menina Que Roubava Livros. Editora Intrínseca.


Comentários

  1. Livro exelente. Tambem recomendo, o livro possui um enredo simplismente maravilhoso.

    ResponderExcluir

Postar um comentário