Poesia: Sede de Amor



Vale se entregar.
Nem vem dizer para mim que não sentiu,
O cheiro de desejo no ar.
É tarde pra inventar,
Mil desculpas pra provar pra mim,
Que não queria mesmo me amar.
É tarde muito tarde, deixa estar.
Te sentir, vem pra mim.
Quero matar a tua sede e beber da tua seiva,
Eu vou, se você for,
Me alimentar do teu poder e me abrigar em teu peito,
Ainda sou o teu amor.
Não te contei, mas toda noite os meus sonhos só pedem você.
Bem aqui para alegrar o meu sorriso,
E ser a cura nos momentos de dor.
Quero matar a minhe sede de amor.
No meu sonho navio,
Teu amor é farol.
No meu porto seguro,
No espaço é meu sol.


Paula Fernandes

Comentários

  1. Admirável, perfeita, inexcedível.
    Esplêndidas letra e interpretação!

    ResponderExcluir

Postar um comentário