Poesia: Rola

Desque amor me deu que eu lesse
Nos teus olhos minha sina,
Ando, como peregrina rola,
Que o esposo perdeu!
Seja noite ou seja dia,
Eu te procuro constante:
Vem, oh! vem, ó meu amante,
Tua sou e tu és meu!
Vem, oh vem, que por ti clamo;
Vem contentar meus desejos,
Vem fartar-me com teus beijos,
Vam saciar-me de amor!
Amo-te, quero-te, adoro-te,
Abraso-me quando em ti penso,
E em fogo voraz intenso,
Anseio louca de amor!
Vem, que te chamo e te aguardo,
Vem apertar-me em teus braços,
Estreitar-me em doces laços,
Vem pousar no peito meu!
Que, se amor me deu que eu lesse
Nos teus olhos minha sina,
Ando, como a peregrina,
Rola, que o esposo perdeu.
Antônio Gonçalves Dias (poeta maranhense).

Comentários