Fanatismo – Florbela Espanca – Livro: de Soror de Saudade



Minh’alma, de sonhar-te, anda perdida
Meus olhos andam cegos de te ver!
Não és sequer razão de meu viver,
Pois que tu és já toda a minha vida!

Não vejo nada assim enlouquecida… 
Passo no mundo, meu Amor, a ler
No misterioso livro do teu ser
A mesma história tantas vezes lida!

 “Tudo no mundo é frágil, tudo passa…”
 Quando me dizem isto, toda a graça
 Duma boca divina fala em mim! 

 E, olhos postos em ti, vivo de rastros:
 “Ah! Podem voar mundos, morrer astros,
 Que tu és como Deus: princípio e fim!


 Este soneto foi musicado pelo cantor Raimundo Fagner.

Comentários

  1. Esse é "O SONETO".
    Traduz em 4 estrofes (dois quartetos e dois tercetos) toda a paixão sentida por esta poetiza e absorvida por mim.
    Só há uma correção a ser feita: no 1º verso da última estrofe onde diz "(...)vivo de rastros:" deveria ser "(...)DIGO de rastros:"
    Sou sua eterna fã!
    PS.: Da poetiza e do Poeta, meu chefe.
    rsrsrsr
    http://drzem.blogspot.com/2010/07/belos-poemas-que-viraram-musicas.html

    ResponderExcluir
  2. No livro que tenho está impresso "VIVO DE RASTROS",pág. 67 do livro SOROR DE SAUDADES. Mas obrigado pelo comentário, o soneto é realmente uma obra de arte.

    ResponderExcluir
  3. Esse Fagner é muito,muito esperto. Freire é verdade que a Florbela suicidou-se e que era apaixonada pelo próprio irmão, que era pra ele que ela fazia versos apaixonados?

    ResponderExcluir
  4. Segundo as más línguaS,sim. Inclusive, há um dos seus sonetos que, ao meu ver,retrata muitíssimo bem esse tão vererado e exacerbado incesto (pois contam que ele também a amava).

    _Amiga_

    Deixa-me ser a tua amiga, Amor,
    A tua amiga só, já que não queres
    Que pelo teu amor seja a melhor
    A mais triste de todas as mulheres.

    Que só, de ti, me venha magoa e dor
    O que me importa a mim? O que quiseres
    É sempre um sonho bom! Seja o que for,
    Bendito sejas tu por mo dizeres!

    Beija-me as mãos, Amor, devagarinho...
    Como se os dois nascessemos irmãos,
    Aves cantando, ao sol, no mesmo ninho...

    Beija-mas bem!... Que fantasia louca
    Guardar assim, fechados, nestas mãos,
    Os beijos que sonhei pra minha boca!...

    _:p_

    ResponderExcluir
  5. A relação de Florbela com o seu único irmão, Apeles Demóstenes da Rocha Espanca, tem sido motivo de análise comum a quase todos os estudiosos da vida da poetisa.

    Aos olhos dos seus contemporâneos, e de muitos dos seus detratores, Florbela mantinha com o irmão uma relação de carácter incestuoso, o que não parece ter fundo de verdade.

    Apeles era quem lhe estava intelectualmente mais próximo e, simultaneamente, representava o elo com a infância e o ponto de apoio firme da poetisa. Quando oscilava entre um sentimento de desvalorização de si própria, para que a quisessem (expresso nos seus lamentos e ansiedade), e o desejo de ser valorizada (através do reconhecimento das suas obras), era a influência de Apeles que a conduzia ao equilíbrio.

    No entanto, a ansiedade surge quando, em 1927, Apeles decide tirar o curso de piloto-aviador, e o desequilíbrio instala-se quando, a 6 de Junho, Apeles falece, vítima da queda, no Tejo, do hidro-avião que pilotava. (Florbela vai guardar dois destroços do avião, que encontra). É o maior choque da vida da poetisa, que se confronta com o absurdo da morte, precisamente no momento em que se começava a adaptar à família do terceiro marido. Desse violentíssimo choque resulta um agravamento da doença de Florbela, que nunca mais é a mesma. Ao mesmo tempo, daí resulta um crescendo na sua obra, em função do confronto com a estranheza da morte, e, até mesmo, uma reviravolta na sua escrita, que após a morte de Apeles se orienta para a prosa.

    ResponderExcluir

Postar um comentário